Turco pegando empréstimo no banco

O turco entra no banco e fala para o gerente:

– Eu quer faze uma embréstimo!!!

Surpreso, o gerente pergunta para Salim:

– Você, Salim, querendo um empréstimo? De quanto?

– Uma real.

– Um real? Ah, isso eu mesmo te dou.

– Não, não! Eu querer embrestado da banco mesmo! Uma real!

– Bem, são 12% de juros, para 30 dias…

– Zem broblema! Vai dar uma real e doze zentavos. Onde eu assina?

– Um momento, Salim. O banco precisa de uma garantia. Sabe como é, são as normas.

– Bode begar meu Mercedes zerinha, que tá aí fora e deixai guardado no garagem da banco, até eu bagar a embréstimo. Tão bom azim?

– Feito!!!

Chegando em casa, Salim diz para Jamile:

– Bronto, nóis já bode viajar bra Turquia zem breogubazon. Conzegui dexar a Mercedes num garagem do Banco do Brasil bor 30 dias, e eu só vai bagar doze zentavos de estacionamento.

Dívida de sangue

Não se sabe como, mas um turco conseguiu pegar dinheiro emprestado de outro turco.

Acontece que o Turco nunca pagava nenhuma de suas dívidas e o outro turco nunca deixava de receber o que lhe deviam. O tempo passa, o turco enrolando e o outro turco atrás dele.

Até que um dia eles se cruzaram no bar de um português e começaram uma discussão. O turco encurralado não encontrou outra saída, pegou um revólver encostou na própria cabeça e disse:

— Eu posso ir para o inferno, mas não pago esta dívida!

E puxou o gatilho, caindo morto no chão.

O outro turco não quis deixar por menos, pegou o revólver do chão, encostou na sua cabeça e disse:

— Eu vou receber esta dívida, nem que seja no inferno!

E puxou o gatilho, caindo morto no chão.

O português, que observava tudo, pegou o revólver do chão, encostou na sua cabeça e disse:

— Pois eu não perco esta briga por nada!